Archive for the ‘A bebida’ Category

Lavando o seu cão com Kombucha

27 novembro, 2007

Uma das coisas interessantes que eu aprendi sobre o Kombucha é a capacidade do mesmo de tirar aquele “cheiro de cachorro molhado” dos cães. Isso eu confirmei no meu próprio cão.

Beagle comedor de kombucha

Funciona assim:

  1. Banho normal, com shampo neutro se possível, enxaguar bastante.
  2. Com o pelo ainda molhado, aplicar uma quantidade generosa da bebida pronta em todo o animal, cuidando para que a bebida entranhe bem no pelo. Tente evitar que o mesmo se sacuda lançando fora todo Kombucha (sei que é difícil).
  3. Deixe agir por uns 5 a 10 minutos.
  4. Não dê outro banho. Enxague com água somente.

Uma dica é utilizar aquelas fermentações da bebida que ficaram mais ácidas e difíceis de beber. Eu já utilizei o vinagre de Kombucha com resultados excelentes, melhores do que a bebida no nível de acidez normal. Realmente o odor mais forte desapareceu.

Pode-se usar na própria pele ou no cabelo. [Creme para a pele]

Kombucha e a Psoríase

8 novembro, 2007

Estive lendo um interessante artigo num site brasileiro sobre psoríase* e que me pareceu bastante informativo.

*[doença de pele incurável e não contagiosa, atinge quase exclusivamente a pele - Wikipedia - link para o artigo]

A história do Kombuchá nos Estados Unidos
Data: 09/03/2004
Tópico: Tratamentos Alternativos da Psoríase

Tibetano, manchu, chinês ou japonês, 5 milhões de americanos já o adotaram. Quem ? O kombuchá, naturalmente, o cogumelo de longa vida ! Este cogumelo originário da China e desde agora produzido na Califórnia faz furor. Cultivado em chá preto açucarado, este organismo, ao modo de uma membrana de fermentação, se reproduz indefinidamente desdobrando-se. Consumida diariamente, esta tisana seria eficaz para resolver numerosos problemas de saúde.

Isto não lembra nada a nossos contemporâneos dos anos 50 ? O “hongo” estava na moda e milhares de pessoas cultivavam este cogumelo ora chinês, ora japonês que passava por ser um remédio milagroso capaz de resolver quantidades de problemas de saúde e doenças crônicas da época (em particular a tuberculose).
Esquecido durante longos anos, eis o que ele se tornou nos Estados Unidos.

Em 1992, Tom Valentine jornalista da revista “Search for Health Magazine” editada na Flórida publica um artigo ditirâmbico celebrando as propriedades singulares deste cogumelo. Este ajudaria o organismo a combater o câncer, a aids, seria também eficaz contra a gripe, a artrite, o stress, a fadiga crônica, a constipação, a diarréia, a indigestão, os problemas de próstata, a incontinência, as hemorróidas, a síndrome pré-menstrual, os sintomas da menopausa, as doenças de pele, as rugas, a acne, a psoríase, a impotência sexual e ainda favoreceria o crescimento dos cabelos e seu enegrecimento ! Hoje este cogumelo exótico colonizou a América. Toda família “new age” da Califórnia e de outras partes possui pelo menos um exemplar em casa. Ela o cultiva com amor no chá açucarado, lhe fala, o faz escutar música, o faz reproduzir-se. Com efeito, os kombuchás fazem bebês a cada dez dias e em três meses, uma “mãe” conta numerosos descendentes. Também, encontram-se mesmo firmas de kombuchá que vendem os bebês por até 70 dólares por peça. Os usuários, eles bebem três vezes por dia esta tisana e afirmam reencontrar vigor, e acessoriamente para alguns, curar câncer e aids. Pareceria que Reagan cuidaria do seu graças a esta divina beberagem. Inquieta pela amplitude do fenômeno e da publicidade feita às virtudes supostas do kombuchá, a FDA (administração americana da saúde) se interessou em março de 1955 por esta bebida e publicou um comunicado explicando que ela era o resultado da fermentação de numerosas leveduras e bactérias e que ela continha grandes quantidades de ácidos que se encontram geralmente no vinagre e no álcool etílico. Para a FDA, se a fermentação se desenvolve em meio estéril, o produto não é nocivo para a saúde, também existem médicos que se lançaram em pesquisas sobre os princípios ativos desta bebida e preconizaram curas deste chá fermentado a seus pacientes cancerosos ou aidéticos.

De fato, do que se trata ?
O cogumelo se parece a uma gelatina viscosa de uma vintena de centímetros de diâmetro e de um centímetro de espessura. Posta em cultura num recipiente de vidro contendo chá açucarado e recoberto de um pano de algodão a mãe se desdobra naturalmente ao cabo de uma semana. Para obter este elixir de longa vida, é necessário respeitar um ritual preciso do qual eis o essencial :

Coloque três litros de água numa cassarola de Pyrex ou esmaltada. Quando a água ferve, despeje entre 150 e 300 gramas de açúcar (branco ou escuro. Deixe ferver por 10 minutos depois retire a cassarola do fogo. Junte 4 ou 5 saquinhos de chá preto. Cubra e deixe infundir durante 15 minutos. Tire os saquinhos com uma colher de pau. Deixe repousar o chá até que esteja na temperatura ambiente. Uma vez esfriado, despeje o chá num recipiente de vidro com uma grande abertura, depois deposite suavemente o cogumelo dentro do recipiente contendo o chá, o lado liso para cima. Cubra o recipiente com gaze ou um pano de algodão. Não utilize sobretudo tampa de metal. Deixe crescer o cogumelo, sem agitação, durante 7 dias pelo menos, à temperatura ambiente, afastado da luz do sol. Durante este tempo, êle se propagará e formará um outro cogumelo. Sua circunferência será da mesma forma que o recipiente no qual cresce. Ao fim de 7 dias, você terá 2 cogumelos, o primeiro (a mãe) e seu duplo ( o bebê). Êles têm o aspecto de gelatinas cinza-bege e êles se separam sem problema. O líquido no recipiente é o chá que você vai beber. Êle tem um gosto agradável semelhante a uma sidra agridoce. Filtre este líquido e coloque-o em garrafas de vidro. Conserve esta bebida no refrigerador. Cada manhã, em jejum, beba 1 copo (cerca de 100 ml) do chá.
As livrarias americanas estão cheias de livros sobre este fenômeno. Livros de receita para preparar sua própria tisana até obras pseudo-científicas, todos apresentam as origens misteriosas deste cogumelo manchu de 2000 anos e retraçam sua viagem extraordinária ao ser passado de geração em geração na ásia, êle acaba por aterrissar em Hollywood graças a Tom Valentine.

Diante deste fenômeno de ultramar, nossa imprensa nacional(França) por êle se interessou, assim pudemos ler no Le Nouvel Observateur (Junho de 1995), VSD (Julho de1995), Voici (Julho de 1995), Avantages (Novembro de 1995) vários artigos sobre o assunto, mas nenhum jornalista sabia que o kombuchá teve sua hora de glória na França durante os anos 50. É verdade que êle ostentava naquela época um outro nome !

Retorno aos anos 1950
Cogumelo-milagre, cogumelo da caridade, cogumelo de longa vida, cogumelo chinês ou japonês, Hongo ou Ma-Gu….. e quantos outros nomes ainda designando este cogumelo do chá.

Êle não é tão desconhecido porque no momento, todo mundo fala dele, como da panacéia universal, depois bruscamente êle cai no esquecimento. Depois do Japão e da Manchúria onde êle é citado em escritos datando do ano 221 antes de J.C., êle passa à Ïndia e à China, aparece em seguida na Europa em três vagas sucessivas. Primeiro, de 1913 a 1918, é utilizado nos países bálticos, na Rússia e na Polônia (onde a tisana é chamada kwas de chá). Depois, de 1925 a 1930, êle aparece na Dinamarca, na Alemanha, na Tchecoslováquia e na Romênia. Nesta época, aparecem a seu respeito numerosos artigos científicos em particular da Universidade Alemã de Praga e na Alemanha surgem numerosas publicidades comerciais. É utilizado, não somente como bebida refrescante, mas também como medicamento, sob nomes diversos.
Após a segunda guerra mundial, este chá fermentado foi levado da Alemanha pelos prisioneiros de guerra e assim apareceu na Europa Ocidental (França, Itália, Espanha e Suiça). Um artigo da Imprensa Médica de 1953 cita um médico da faculdade de Madri (F.O Rodriguez) que introduziu “em medicina popular o meio de cultura (infusão de chá açucarado) de um pretenso cogumelo medicinal que êle denominou ‘el hongo'”.

Este cogumelo foi examinado por H. Roques, autor do artigo, que colocou em evidência uma levedura (Saccharomyces), uma bactéria acética (Acetobacter) e uma falsa levedura (Mycoderma vini); êle mostrou assim que não se tratava de um cogumelo superior nem de uma membrana de fermentação mas de uma colônia gelatinosa de cogumelos microscópicos constituindo uma associação simbiótica. Para H. Roques, não havia dúvida que o Acetobacter era o agente essencial da ação terapêutica, êle agiria por seus produtos de elaboração, em particular as enzimas oxidantes que êle secreta, sendo que tais moléculas são susceptíveis de agir no organismo aumentando a eliminanção dos dejetos e das toxinas. Segundo H. Roques, o “hongo” podia ser classificado no grupo dos medicamentos chamados depurativos, seu uso parecendo isento de toxicidade.

A moda do “hongo” chegou mesmo à áfrica do Norte francófona onde ela suscitou a curiosidade de pesquisadores porque no mesmo ano, em 1953, apareciam no Boletim da Sociedade das Ciências Físicas e Naturais do Marrocos, dois artigos assinados por M. Chambionnat e G. Zottner concernentes ao famoso “cogumelo japonês”. G. Zottner confirma a presença de um Acetobacter na massa gelatinosa. Êle acha este vinagre de chá rico em vitaminas e, se tomado moderadamente, não perigoso para a saúde. M. Chambionnat procedeu a análises químicas e encontrou ácido acético, também presente no vinagre, ácido láctico (que se encontra nos iogurtes ou no quefir) e álcool etílico, êle contestou o valor terapêutico do produto, não vendo um interesse a não ser em seu aporte de vitaminas. M. Chambionnat refutou sobretudo a presença de um antibiótico que teria sido ativo contra o bacilo tuberculoso. Êle pensava que a atribuição de virtudes antibióticas ao cogumelo japonês provinha de uma dupla confusão : primeiro a aproximação da palavra cogumelo com mofo depois com Penicillium e enfim com penicilina, em consequência dos trabalhos de S.A. Waksman (Prêmio Nobel de Medecina em 1952) que cultivava um mofo chamado Aspergillus clavatus sobre chá agridoce para fazê-lo produzir clavacina que é um bactericida poderoso. É muito possível que este antibiótico fosse tomado à época por uma secreção do cogumelo japonês. Existe, no entanto, uma vasta literatura científica russa datando desta mesma época (1945-1960) que trata das virtudes antibióticas do cogumelo do chá. Infelizmente, estes resultados não sairam da Rússia.

Em 1959, um artigo de M.M. Kraft da Universidade de Lausanne confirma o impulso suscitado por este cogumelo na Europa Ocidental. Este artigo nos indica que em Bilbao, uma empresa de produtos farmacêuticos comercializa cogumelo, que em Tulle en Corrèze, se fabrica uma espécie de “chá-sidra” muito apreciado, enfim que em Lausanne, é encontrado na farmácia. Michel Abadie do Museu Nacional de História Natural empreendeu, no começo dos anos 60, trabalhos em seu Laboratório de Criptogamia de Paris, trabalhos estes que se dirigiram essencialmente sobre a associação dos diferentes microorganismos que constituem o cogumelo. Um de seus artigos aparecidos em 1961 nos Anais das Ciências Naturais e Botânica conclui sobre a necessidade de facilitar “os estudos de um poder terapêutico e antibiótico atualmente tão controvertido”. Este foi um dos últimos artigos científicos em francês sobre o cogumelo chinês.

Nos anos que seguiram (60-80), artigos científicos sobre o cogumelo do chá apareceram no Japão, na Coréia, nas Filipinas e na China, o que mostra que pesquisadores continuaram a se interessar por êle e sobretudo em pesquisar nele virtudes terapêuticas, em particular contra o câncer. Mas a Europa Ocidental se desinteressou com exceção da Alemanha e a Suiça alemânica onde o Doutor Sklenar desenvolveu nos anos 60-70 uma terapia anticancerosa a partir do cogumelo do chá que êle denominava “kombuchá” (este método terapêutico foi aliás contestado na Suiça mesmo). Quanto ao que concerne a estes dois países, se desenvolveram empresas que comercializam o cogumelo assim como diversas preparações (frascos de chá, extrato alcoólico, gotas).
Assinalam-se alguns trabalhos científicos sobre o cogumelo do chá ao final dos anos 80 na Alemanha e no início dos anos 90 no Brasil (onde é utilizado para cuidar de peles queimadas). A obra de referência sobre o cogumelo do chá foi escrita em 1990 por um alemão, Günther W. Frank : “Kombuchá, a bebida do cogumelo de longa vida”. Ela existe em três línguas (alemão, inglês, francês) e é lida por todos os americanos adeptos deste cogumelo.
Hoje, diante do ímpeto dos americanos pelo que agora se chama kombuchá, pesquisas científicas são empreendidas nos Estados Unidos e na França para confirmar graças a meios de análise modernos a presença de moléculas ativas na bebida fermentada. O futuro nos dirá o que vai acontecer.

Qual é seu efeito medicinal ?
Segundo um médico americano citado pelo semanário VSD : “todos os produtos fermentados têm tendência a favorecer as bactérias sãs nos intestinos. Além disto, as enzimas são catalisadores biológicos dos quais necessitamos para digerir os alimentos, para dissociar as proteinas e as gorduras no processo de digestão. Quando a digestão de alguém não funciona mais, todas as outras funções do corpo seguem. De fato, os benefícios do chá, como a energia, a melhoria da pele podem ser colocados na conta de uma melhor digestão. Além disto, quando a gente reencontra uma digestão normal, o semblante se distende, um semblante mais distendido, significa talvez menos rugas”.

BIBLIOGRAFIA
Abadie, M.: 1961. Associação de Candida mycoderma Reess Lodder e de Acetobacter xylinum Brown na fermentação acética das infusões de chá. Ann. Sc. Nat. Bot. 12, 765-780.
Chambionnat, M.: 1953. Contribuição ao estudo do cogumelo japonês. Bull. Soc. Sci. Nat. Phys. Maroc. 33, 3-8.
Dubois, J.P.: 1995. Estados Unidos, um cogumelo na cabeça. Le Nouvel observateur. 8-14 Juin 1995, 92-94
Dubois, V.: 1995. Ya bon kombucha. VSD. 934, 82-85.
Frank, G.W.: 1990. Kombuchá, a bebida do cogumelo de longa vida, W. Ennsthaler ed. Steyr, Autriche.
Hauser, S.P.: 1990. A infusão de cogumelo kombuchá do Dr. Sklenar – uma terapia biológica do câncer. Schweiz Rundsch. Med. Prax. 79, 243-246.
Kraft, M.M.: 1959. O cogumelo do chá. Nova Hedwigia. 1, 297-304.
Reiss, J.: 1987. O cogumelo do chá e seus produtos metabólicos. D. Lebensmittel-Rundschau. 83, 9, 286-290.
Roques, H.: 1953. Sobre um pretenso cogumelo medicinal (el Hongo). Presse Médicale. 61, 29, 621.
Zottner, G.: 1953. Nota de bacteriologia a propósito do cogumelo japonês. Bull. Soc. Sci. Nat. Phys. Maroc. 33, 9-11.

O autor deste artigo:
Dr. Philippe J. BLANC
DGBA UMR-CNRS 5504, INSA
Complexe Scientifique de Rangueil, F-31077 TOULOUSE Cedex 04
tel. 33 61559413 fax. 33 61559400
CE (correio eletrônico): blanc@insa-tlse.fr “

Artigo reproduzido do endereço

http://www.gapip.com.br/modules.php?name=News&file=print&sid=92

Cor Chá

Lista dos Benefícios

24 outubro, 2007

Abaixo outro texto que eu encontrei num site australiano sobre os benefícios do uso continuado da bebida. Os dados aqui contidos são de cunho meramente informativo e não devem ser tomados como regra nem como referência para tratamentos sem a adequada observação de um profissional. Segue a ‘tentativa de tradução':

Drink gelado com Kombucha e laranjaListagem dos Benefícios do Kombucha – como relatado pelos indivíduos que utilizam. Esta lista foi criada com a colaboração de uma centena de pessoas no mundo inteiro que desejaram dividir suas reais experiências com o Kombucha. Se você quiser acrescentar a esta lista as suas próprias experiências, por favor me contate e envie suas sugestões com permissão para acrescentar-las a esta lista.

*Este lista é fornecida para propósitos de informação somente e não pretende ser um substituto para o conselho médico profissional. É nossa opinião que Kombucha não “cura” qualquer coisa, mas parece ajudar o corpo a curar a si mesmo. Estas informações foram obtidas estritamente de nossa experiência pessoal e dos testemunhos de pessoas por todo o mundo que tem o hábito de consumir Kombucha.

Ninguém experimentará todos esses benefícios e nenhuma substância é adequada para todos. Nenhum resultado específico está previsto em nenhum caso em particular.

1. Ótimo bebida.
2. Sensação de bem-estar.
3. Ajuda a aliviar a congestão em vias aéreas.
4. Fortalece o cabelo.
5. Estimulante e energético.
6. Alonga o cabelo.
7. É muito eficaz em todos os tipos de artrite. Ajuda a controlar a dor e as deformações articulares da artrite reumatóide.
7a. Ajudar a reparar a cartilagem danificada pela Osteo-Artrite (se ainda houver cartilagem remanescente).
7b. Ajuda na Gota, quebrando os cristais e removendo a dor e a sensibilidade.
8. Ótimo motivo para uma conversa.
9. Reduz a inflamação das tendinites calcificadas.
10. Melhora a asma e a “febre-do-feno” [reações alérgicas ao pólen das plantas geralmente na primavera].
11. Tem me levado ao contato com pessoas muito boas.
12. Redução do estresse.
13. Muito calmante.
14. Aumento do impulso sexual.
15. Regula os intestinos.
16. Cândida, ou infecção por fungos.
17. Assessora a digestão, impede o refluxo ácido.
18. Adiciona sabor.
19. Elimina ou reduz o rash cutâneo ou exantema.
20. Melhora e controla a circulação sanguínea nas pernas.
21. Limpa e melhora a pele.
22. Faz uma boa limpeza no cabelo e no couro cabeludo [leia aqui uma receita].
23. Colônias ‘Mãe’ que sobram podem ser usadas para limpar lataria e objetos de cobre.
24. Ajuda a tirar as “escamas” de certas doenças de pele.
25. Faz um maravilhoso ‘escalda-pés’.
26. Diminui grandes lipomas.
27. Embelezando e reduzindo o envelhecimento da pele do rosto.
28. Reduz a cólica menstrual severa.
29. Produz um creme facial maravilhoso.
30. Aumenta a mobilidade intestinal.
31. A exposição a luz direta dos faróis passa a não causar tanto desconforto.
32. Reduza / estabiliza a pressão arterial.
33. Previne e ajuda a curar as infecções na bexiga.
34. Melhora a síndrome do túnel do carpo.
35. Cura os furúnculos e infecções por staphylococcus na pele.
36. Previne lesões ou ulcerações bucais.
37. Previne o eczema e controla a psoriasis.
38. Líquido para limpeza da casa: limpa gordura, limpa os fogões, azulejo do banheiro, janelas, cobre, etc.
39. Cabelo e unha crescem mais rápido.
40. Eu posso ver as pupilas de meus olhos outra vez sem óculos.
41. Mais energia.
42. Elimina os fungos das unhas e pé de atleta.
43. Promove uma sensação de bem-estar para as pessoas com câncer hepático.
44. Ajudou uma mulher mais velha a se sentir e parecer mais jovem.
45. Diminui o sofrimento com as artrites.
46. Limpa as toxinas do corpo.
47. Reduz as queimaduras e a queimadura do sol.
48. Reduz o eczema (inchaço) por picadas de abelha.
49. Bom desodorante.
50. Para algumas pessoas elimina o desejo do álcool e ajuda a relaxar.
51. Acaba com a gripe e resfriados.
52. Progresso significativo na cura dos lábios rachados por aplicação tópica da bebida.
53. Com a colônia do Kombucha se faz um cataplasma ótimo.
54. Remove a ferrugem.
55. Restaura a cor natural do cabelo, incluindo as sobrancelhas, para algumas pessoas.
56. Melhora a acuidade visual e elimina as “variações” [como visão turva, creio].
57. Repelente contra insetos, mosquitos e pulgas.
58. Reduz a celulite.
59. Colônias de Kombucha podem ser usadas como ataduras.
60. Elimina os verrugas.
61. Muito bom para algumas pessoas com AIDS / HIV.
62. Melhora a flexibilidade.
63. Elimine os verrugas e manchas da idade.
64. Colônias secas do Kombucha produzem ótimos “brinquedos” para os animais.
65. Efeito rejuvenescedor.
66. Use as colônias de Kombucha como máscara para o rosto – faz muito bem para a pele.
67. Problemas da menopausa desapareceram: transpiração noturna, inchaço abdominal, mudança de humor.
68. Colônias de Kombucha misturadas com o bebida e açúcar fazem um ótimo creme.
69. Eu tenho reparado que Kombucha faz me sentir mais vivo.
70. Kombucha promove a vida longa e um coração alegre!
71. Alívio da ansiedade.
72. Elimina a prisão de ventre e hemorróidas.
73. Normaliza os padrões de sono.
74. Elimina a dor e o sofrimento.
75. Ótimo estimulante pela manhã (substitui o café).
76. Reduz a dosagens de certos medicamentos pela metade.
77. Reduz ou elimina sintomas alérgicos.
78. Melhora a força, a resistência e a recuperação em atletas.
79. Fibrose menos dolorosa.
80. Pessoas começam de assumir a responsabilidade com sua própria saúde.
81. Remove tecido da cicatriz.
82. Ajuda diversas pessoas com problemas digestivos, ‘doença de Crohn’ e colite ulcerativa.
83. Kombucha ajuda em alguns casos com as dores musculares e fadiga crônica.
84. Promove um sono profundo.
85. Limpa o muco dos brônquios.
86. Ajuda em caso de picada de abelha e queimadura com água-viva.
87. Ajuda a resolver certos problemas de próstata e dificuldade para urinar.
88. O colônia é usada em queimaduras de terceiro grau formando uma cobertura protetora e apressa imensamente a cura ajudando no controle da dor.
89. Colônias armazenadas no refrigerador podem ser usadas em quaisquer queimaduras rapidamente. Retira instantâneamente a dor da área queimada e limítrofe.
90. Melhora a inflamação do dedão do pé devido a gota.
91. Retarda o processo de envelhecimento.
92. Ajuda a manter o sistema imunológico forte.
93. Previne a deflagração das síndromes crônicas de fadiga.
94. Excelente para de remover infecções do corpo.
95. Use Kombucha chá em lugar de vinho em molho pra salada e receitas.

ColôniaKombucha, like Love,
Makes those young,
Whom age doth chill,

And whom it finds young,
Keeps young still.

* Nenhuma reclamação contra o Kombucha foi comprovada pela FDA – Food and Drug Administration (Administração para Remédios e Comida nos Estados Unidos) ou pelo (TGA) Autoridade Australiana sobre os Bens Terapêuticos da mesma forma que nem o FDA, nem o TGA indicam Kombucha para diagnosticar, curar ou impedir doenças.
Por favor consulte o seu médico sobre o uso de produtos a base de Kombucha em seu caso específico [apesar de que, no Brasil dificilmente algum médico saberá do que se trata, portanto é recomendável levar uma breve descrição das propriedades e substâncias principais contidas no Kombucha].”

Traduzido e adaptado de http://www.kombuchaustralia.com/benefits.html

Kombucha como remédio para emagrecer

1 outubro, 2007

Uma pergunta muito comum é sobre os efeitos do uso do Kombucha para o combate a obesidade ou como forma de perder alguns quilos indesejáveis.

O que eu tenho observado na prática é que, embora não seja caracterizada como um remédio para emagrecer, a bebida leva muitas vezes a esse fim. Já li muitos relatos de pessoas que realmente reduziram significativamente o excesso de gordura corporal. Também já observei o efeito no meu próprio corpo, assim como ouvi relatos de amigos que utilizam o chá diariamente.

Alguns pontos, acredito, são importantes:

Bebida saudável

  • Pessoas muito magras ou que não tenham a intenção de emagrecer com o uso diário da bebida, devem prestar atenção ao efeito não desejável da redução do apetite. Se tal sintoma se tornar muito significativo, deve-se parar o consumo por algumas semanas, ou mesmo diminuir o uso durante o dia, consumindo preferencialmente depois da última refeição.
  • A eliminação das gorduras se realiza pela regulagem do organismo, lenta e gradualmente, e não como uma reação a supressão do apetite – característica mais comum nos tratamentos com medicamentos alopáticos. Assim, de fato, esse processo é lento, mas seguramente mais confiável e saudável do que o uso de anfetaminas.
  • A redução observada em muitos casos é de cerca de 10% do peso corporal total num período médio de 6 meses de uso diário. Foi o que ocorreu comigo apesar de não ter tomado o chá com o objetivo de emagrecer – passei de 80 para 72 quilos (com mais de 1 e 80 de altura), o que não era desejado, embora sem perceber qualquer alteração na massa muscular.
  • Li relatos de reduções muito maiores no peso geral, mas acredito que não se deve ansiar por resultados milagrosos – o importante é a redução dos níveis de gorduras e toxinas de forma natural e responsável. Mesmo porque uma expectativa ansiosa por resultados poderia prejudicar especificamente o processo de emagrecimento, que se dá de forma gradual.
  • Li relatos de pessoas que utilizam o chá em sua forma mais ácida, até mesmo quando ele se torna um vinagre, acreditando assim que aumentaria o poder emagracedor do Kombucha. Isso é desnecessário. Pode ser prejudicial para a flora intestinal o uso diário do vinagre principalmente porque algumas pessoas imaginam como vantajosa a administração do mesmo em quantidades grandes e como substituto do desjejum. Não sei se é uma boa idéia tomar vinagre em jejum. Não é o nível de acidez do chá que determina a sua eficácia e sim a qualidade do produto e a freqüência do seu uso.
  • É bom lembrar também que o chá quando muito doce – por ter sido retirado antes do tempo de fermentação adequado – pode ser uma fonte de açúcar não desejável. Deve-se buscar um nível ideal de acidez. [Leia sobre isso: Qual é a acidez ideal para a bebida?]
  • Se você tem “compulsão por geladeira” pode ser uma boa idéia tomar um pequeno gole de kombucha toda vez que isso ocorrer. Sem substituir as refeições importantes do dia, e sem exagerar na dose de kombucha – o que pode te levar ao banheiro mais vezes do que o desejado.

Leia também o artigo Kombucha é remédio para tudo?

Sobre o vinagre de Kombucha

1 outubro, 2007

Algumas vezes deixamos a colônia descansar durante um período de tempo superior ao necessário para o preparo da bebida resultando num vinagre. Se isso ocorrer não há nenhum problema porque o vinagre é de excelente qualidade e pode ser utilizado no dia a dia da cozinha. Serve para lavar alimentos, inclusive as próprias colônias, e pode ser utilizado normalmente no preparo de qualquer prato.

Vinagre

O vinagre conserva as excelentes propriedades que o chá possui, e em alguns casos de forma acentuada. Ele pode ser produzido da mesma forma que o chá, somente aumentando o tempo de fermentação para uns 20 ou 30 dias, conforme a temperatura.

Uma das formas de se produzir uma colônia muito grande é deixando um tempo maior, e isso fará com que se produza o vinagre. Esse procedimento pode ser útil – produzir uma colônia bem forte para ser a matriz ou para doação.

 

Por quanto tempo posso armazenar o chá?

8 setembro, 2007

Devidamente embalada e refrigerada, a bebida mantém as suas características por muito tempo. Já li que pessoas guardam por mais de um ano a bebida, conservando todos os seus benefícios. Eu mesmo já estoquei a bebida por três meses na geladeira sem que qualquer alteração fosse percebida no seu sabor. No entanto, é muito importante salientar alguns procedimentos fundamentais para a conservação da bebida independente do período de tempo planejado.

Algumas condições adequadas para a conservação:

  1. Utensílios: Garrafas ou outros vasilhames com tampa bem lacrada ou com rolha. A garrafa pode ser de vidro, cristal ou plástico.
  2. Refrigeração: Não é recomendado guardar a bebida em lugares quentes ou com temperatura muito variável, o ideal é mantê-la refrigerada.
  3. Ausência de ar: Por se tratar de um processo de fermentação aeróbica, isso é, que depende do ar, a bebida deve ser mantida o mais lacrada possível e com a menor quantidade possível de ar no interior da garrafa.

Dicas interessantes:

  • Garrafas: pode ser utilizadas garrafas de suco ou de refrigerante, de vidro ou plástico, mas nesse caso é recomendável tentar alguma técnica para retirar o gosto de refrigerante ou suco; as garrafas de água que compramos todos os dias, preferencialmente aquelas de água com gás cuja tampa é normalmente mais firme; garrafas de bebidas diversas com tampa ou rolha.
  • Quantidade de ar: quando você for acondicionar a bebida para que seja estocada, procure colocar o máximo possível de bebida no recipiente, evitando a presença de ar no seu interior, o que vai contribuir para a manutenção do sabor da bebida mesmo depois de alguns meses.
  • Qualidade na limpeza: pense em qualidade na limpeza, isso é, limpe com cuidado as garrafas, deixe secar adequadamente, utilize álcool para limpar o recipiente e a sua tampa se necessário. O importante é ter certeza de que a bebida estará acondicionada num recipiente limpo e sem qualquer perigo de contaminação. Lembre-se, o Kombuchá é uma bebida probiótica, que tem seus mais importantes componentes vivos e que pode sofrer a ação de bactérias e fungos externos, alterando o seu sabor e até mesmo contaminando a bebida o que poderia ser prejudicial a sua saúde. Observação importante: a bebida quando mofada, isso é, quando não está em condições de ser ingerida apresenta características de sabor e cor muito diferentes do normal, portanto uma observação mesmo superficial dessas características é suficiente para determinar se a bebida está fresca ou não. Não use Kombucha se você tem qualquer desconfiança acerca do seu sabor ou aspecto visual.
  • Observe entretanto que: formações de cor marrom escura, transparente ou como pequenas “algas” podem surgir na bebida depois de pronta e estocada ou quando na geladeira em recipiente destampado. Isso é perfeitamente normal e pode ser ingerido ou jogado fora segundo o seu gosto pessoal.

Ao final de um período de repouso muito grande, a bebida mesmo quando bem tampada e acondicionada, pode apresentar leve fermentação e/ou a formação de uma pequena colônia no interior do recipiente no qual se está estocando. Isso é normal e geralmente se deve a entrada de ar no recipiente, o que possibilita que a bebida continue a fermentação.

Abaixo uma foto de uma garrafa do tipo PET contendo a bebida pronta. Não sei como foi engarrafada esse exemplo de bebida mas demonstra um espaço com ar no interior. Também não sei se existe alguma técnica que mantenha a bebida sem fermentação mesmo com ar.

Garrafa

Quanto Kombucha devo beber e quando?

2 julho, 2007

Achei um relato interessante sobre o uso do Kombucha, que apresenta uma resposta simples a essa questão da quantidade. Lembrando que são sugestões e não indicações de uso. Pessoalmente acredito que as medidas aqui apresentadas sejam adequadas para o início.

“Como todos os suplementos, assim como quaisquer medicação ou gêneros alimentícios, a quantidade de Kombucha necessitada por cada pessoa varia.

Se você tiver uma doença crônica então você deve começar com menos do que as seguintes recomendações mas deve terminar bebendo o máximo que você puder. Para uma pessoa saudável ou alguém que não seja doente crônico, siga estas instruções:

Começando: Quando você começar primeiramente a beber o chá de Kombucha você deverá beber meio copo (100ml mais ou menos) por dia. Você deve beber pela manhã, aproximadamente 15 minutos antes do café da manhã.

Após uma semana: Se tudo for bem, isto é você não tiver sentido nenhum efeito colateral, como ter que ir ao banheiro 4 vezes num dia etc., então é hora de aumentar a dose. Comece a administrar um outro meio copo, a noite, imediatamente depois de sua refeição noturna ou antes de dormir, caso não tenha o habito de jantar.

Após duas semanas: Se tudo estiver indo ainda bem então você pode aumentar seu dosagem outra vez. Tente beber um copo cheio (mais ou menos 150ml) em ambas as vezes.

Após três semanas: Você pode agora adicionar um terceiro copo de Kombucha a sua dieta – beba-o na hora do almoço ou a tarde. No geral, como com todo o suplemento, você deve considerar como seu corpo está reagindo ao chá. Se houver efeitos indesejáveis tentar então reduzir nas quantidades, ou parar;

Você pode perceber, como eu , que você necessita menos de três copos por o dia. Eu conheço também pessoas que bebem um litro por dia! Todo mundo é diferente. Assim, ache a quantidade adequada para você. Quando você começar a beber Kombucha, notará provavelmente que os rins e o intestino se tornam mais ativos. Isto é somente a curto prazo e é normal, não se preocupe. É porque as toxinas estão sendo eliminadas de seu corpo. Beba mais água nesses dias, isto ajudará. Beba mais água! É uma boa idéia beber muita água como uma parte diária de sua dieta, especialmente quando você está fazendo uso de uma substância (Kombucha) que elimina toxinas do seu corpo.

Bebendo água

Recomenda-se geralmente que você beba aproximadamente 2 litros de água por dia. Isso soa muito. Mas, se você pensar a respeito, são somente 4 garrafinhas daquelas de 500 ml comuns que encontramos em qualquer lugar, muito populares. Beba quatro destes cheios de água a cada 24 horas. Você verá que não é tão difícil como parece primeiramente. Não entre em pânico – isso é apenas um ‘ajuste de saúde’.

Quando você começa a beber Kombucha, sua saúde pode parecer ‘regredir’ em vez de melhorar. A doença a qual você sofre pode tornar-se mais aguda. Este é provavelmente somente um ‘ajuste’ e é comum para que o corpo reaja adequadamente. Diminua na quantidade de Kombucha que você está bebendo e aumente um pouco mais lentamente.”

traduzido e adaptado de http://www.kombuchatea.co.uk/how-much-should-i-drink.asp

Kombucha é remédio pra tudo?

26 junho, 2007

Às vezes, algumas pessoas me perguntam se o Kombucha é uma dessas panacéias vendidas engarrafadas em todo o mundo como remédio para todas as doenças. Não, não é um remédio para tudo. Acredito que o Kombucha tem mais de um foco de ação, isso é, ele serve a mais de um propósito.

Quando iniciamos o uso do Kombucha, normalmente ficamos mais seduzidos pelo seu sabor, pelo aroma, depois pelo seu cultivo, pelo preparo. O que é muito bom, mas o que interessa é que os seus efeitos são notados mesmo, e são relativamente rápidos. A sensação de melhora do organismo como um todo é resultado de algumas regulagens no corpo, realizadas pelas substâncias presentes no chá e é o efeito mais notável e comum a meu ver. E não é preciso mais que um mês de uso diário para se perceber isso.
Existem relatos de benefícios tão significativos, que parecem mesmo milagres, principalmente no que diz respeito às pessoas com problemas digestivos como prisão de ventre,  gastrite. Porém, em alguns casos pode provocar uma leve diarréia, o que o torna contra-indicado para pessoas que já apresentam distúrbios como a diarréia.

Outro aspecto relevante quanto ao uso da bebida diz respeito ao seu uso com o objetivo de emagrecer. O kombucha já se revelou como um potencial inibidor do apetite, e portanto deve ser administrado com cautela por pessoas muito magras ou com tendência a doenças relacionadas a falta de apetite.

Abaixo coloco um pequeno relato encontrado na Internet:

“Há um enorme tesouro de experiência em relação ao cogumelo do Kombuchá. Além de seu uso como bebida refrescante, pode-se ler em quase todos os relatos seu uso também como remédio. Nos relatos dos tempos mais antigos aos modernos, um grande número de doenças são citadas, para as quais o chá de Kombuchá é usado e aprovado. O elenco alcança desde a indisposição mais inofensiva até as doenças mais sérias.

Numerosos médicos e cientistas se ocuparam com os efeitos da bebida do Kombuchá como remédio caseiro. Muitos trabalhos científicos, concernentes ao Kombuchá, estão disponíveis. Eles falam de sua eficácia terapêutica baseada no ácido glucônico, ácido glucurônico, ácido láctico, ácido acético, assim como a vitamina C e o complexo B. Como foi provado, especialmente por pesquisadores russos, muitos de seus componentes possuem características antibióticas e de desintoxificação, e elas desempenham um papel decisivo nos processos bioquímicos do corpo.

Em contraste com muitos fármacos com efeitos colateriais desagradáveis, as substâncias ativas do Kombuchá se destinam a todo o sistema corporal; através de suas amistosas propriedades metabólicas, elas podem restabelecer uma condição normal nas membranas celulares sem efeitos colaterais e deste modo promover o bem estar da gente. Vamos usar estes poderes naturais para manter nossa vitalidade, atividade, assim como nossas capacidades mentais e físicas!”

Encontrado em http://www.kombu.de/fasz-por.htm

A açao do Kombucha nos órgãos digestivos

26 junho, 2007

Encontrei um relato bastante antigo na Internet sobre os benefícios naturais do uso do Kombucha. O que me pareceu a princípio: achei que tinha me deparado com mais um desses autores do início do século e que possuíam uma opinião historicamente localizada, sem os recursos atuais da tecnologia na ciência e coisas assim. Li diversos outros relatos de fontes também diversas, a maioria publicada na Internet, detalhando experiências e conclusões semelhantes, na década de 60, 80 e 90. Por isso achei interessante colocá-lo aqui como uma forma de refletir acerca do uso dessa bebida e demonstrar que, pelo menos não li nenhum relato ou citação de que tais pesquisadores tivessem publicado nada em contrário ou mesmo contestado sua própria conclusão passada a posteriori.

“O Dr. L. Mollenda (1928) relata que a bebida do Kombuchá é especialmente eficaz para distúrbios dos órgãos digestivos, por praticamente normalizar suas funções. Além disto, a bebida se provou tão eficaz para a gota, reumatismo e diversos estágios da aterosclerose. Com relação a outras áreas de aplicação êle escreve: ‘No caso de angina, especialmente quando há recobrimento das amígdalas a bebida não deveria ser usada apenas para gargarejos mas para beber, e isto para destruição de bactérias que alcançam o estômago através da comida e da bebida. Este gargarejar na angina traz recuperação rápida, e nas dores da gota e aterosclerosse, surpreendentes sucesso são alcançados mesmo em casos sérios. … Mesmo a bebida sendo ácida, ela não causa condição ácida no estômago; ela facilita e notoriamente promove a digestão mesmo de alimentos de difícil digestão. Sucessos igualmente favoráveis após tomar Kombuchá também foram alcançados para eczema gotoso e para pedras nos rins, urina, e vesícula.’ [...]“

Retirado de http://www.kombu.de/fasz-por.htm

Qual é a acidez ideal para a bebida?

26 junho, 2007

Existem formas de testar a acidez do Kombucha durante a sua produção.

Nas farmácias e casas especializadas são comercializadas fitas para teste de pH.

O pH deve variar entre 2.5 e 3.5. O suco de um limão por exemplo tem pH 2.0 em média.

No entanto, existem muitas fontes que citam que o pH ideal deverá variar entre 2.7 e 3.1.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.